Os Manuscritos do Mar Morto

Por <b>Rodrigo Silva</b>

Por Rodrigo Silva

Arqueólogo

Até a revelação dos Manuscritos do Mar Morto, a mais antiga cópia em hebraico completa do Antigo Testamento datava de 1008 d.C., conhecida como Codex Babylonicus Petropolitanus. No entanto, essa cópia surgiu incríveis 1.400 anos após a conclusão do Antigo Testamento, levantando dúvidas sobre a fidedignidade textual das Escrituras.

 

Papiro Nash

 

Apesar da existência do Papiro Nash, uma porção hebraica de Deuteronômio 6:4 e 5, descoberto em 1902, sua pequena extensão limitava qualquer conclusão substancial. Com cópias tão tardias em mãos, os especialistas enfrentavam o desafio de provar a integridade textual, questionando se capítulos inteiros poderiam ter sido acrescentados ou suprimidos ao longo dos séculos.

 

Em 1939, Sir Frederic Kenyon, diretor do Museu Britânico, expressou seu pessimismo, duvidando da possibilidade de encontrar manuscritos hebraicos anteriores ao período da formação do texto massorético, copiado entre 500 e 1000 d.C. No entanto, uma reviravolta milagrosa estava prestes a acontecer.

 

A descoberta dos Manuscritos

 

Por volta de 1947, um garoto beduíno chamado Muhammed Ahmed el-Hamed, conhecido como “edh-Dhib,” fez uma descoberta incrível enquanto procurava por cabras perdidas perto do Mar Morto. Ao lançar pedrinhas dentro de uma fenda, ele ouviu o som de jarros se quebrando. Ao investigar, encontrou grandes jarros de barro com rolos de manuscritos envoltos em tecido.

 

Ao compartilhar sua descoberta com adultos da tribo, eles exploraram a gruta na esperança de encontrar um tesouro, mas, para surpresa deles, descobriram rolos de manuscritos. Alguns vasos foram vendidos, enquanto outros acreditam que foram parar nas mãos de um sapateiro cristão sírio. Membros do grupo perceberam o valor dos manuscritos, iniciando uma busca por novos pergaminhos em outras cavernas.

 

Descobertas posteriores

 

Com a ajuda de arqueólogos da École Biblique de Jerusalem, da American School of Oriental Research e do Archaeological Museum of Palestine (hoje Albright Institute of Archaeological Research), 11 grutas foram descobertas e catalogadas. Os rolos encontrados datavam de cerca de 300 anos antes de Cristo, proporcionando uma perspectiva mil anos mais antiga do que as cópias massoréticas.

 

Revolução na compreensão do Antigo Testamento

 

A descoberta dos Manuscritos do Mar Morto não apenas desafiou as expectativas, mas revolucionou a compreensão da integridade textual do Antigo Testamento. Esses documentos antigos ofereceram aos estudiosos uma janela para o passado, reforçando a confiança na preservação precisa das Escrituras ao longo dos séculos.

 

Assista ao vídeo abaixo para saber mais sobre os Manuscritos!

Aprenda mais sobre a Bíblia

Por aqui, não há limites para se aprofundar nas Escrituras Sagradas. Inscreva-se abaixo para receber conteúdos sobre a Bíblia, a Arqueologia e muito mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ CONTEÚDO
Devocional
Equipe Rodrigo Silva
O que Lucas 21 diz?

O Evangelho de Lucas é um dos quatro livros que compõem o Novo Testamento da Bíblia, e Lucas 21 é um capítulo especialmente poderoso, repleto

Ler mais »
pedras
Arqueologia Bíblica
Equipe Rodrigo Silva
As pedras do templo em Jerusalém

Você sabia que as antigas pedras do Templo de Jerusalém têm muito a nos contar sobre a história bíblica? Vamos embarcar em uma jornada fascinante

Ler mais »
judeia
Arqueologia Bíblica
Equipe Rodrigo Silva
Como Roma invadiu a Judeia?

Em 63 a.C., Roma invadiu Israel e dominou Jerusalém, lançando o povo judeu em uma era de incertezas e revoltas constantes. Neste artigo, exploraremos o

Ler mais »
a batalha de gog e magog
Dúvidas Bíblicas
Equipe Rodrigo Silva
A batalha de Gog e Magog

Falar sobre Gog e Magog é apenas uma degustação—espera, essa palavra não é bem adequada. É mais como uma prévia. Hoje, estamos oferecendo um vislumbre

Ler mais »