Crônicas Babilônicas: comprovando Nabucodonosor

Por <b>Rodrigo Silva</b>

Por Rodrigo Silva

Arqueólogo

Imagine abrir uma caixa cheia de antigos tabletes cuneiformes, cobertos de terra e repletos de histórias esquecidas. Nos porões do Museu Britânico, essa foi a realidade que desafiou o ceticismo dos historiadores e trouxe à luz novos detalhes sobre as conquistas babilônicas. 

 

Saiba como esses artefatos revelam a narrativa de Nabucodonosor e sua influência sobre a Judeia.

crônicas babilonicas

A revelação dos tabletes

 

No final do século 19, uma coleção impressionante de tabletes cuneiformes foi transportada para a Inglaterra, onde permaneceu sem tradução até 1956. Esses artefatos, encontrados nos porões do Museu Britânico, são uma miscelânea de cartas, orações, recibos e relatos de vitórias. 

 

Entre essas crônicas, destaca-se a menção ao avanço de Nabucodonosor sobre a Judeia.

 

 O avanço de Nabucodonosor sobre Jerusalém

 

Um dos tabletes detalha o ataque de Nabucodonosor à cidade de Jerusalém no sétimo ano de seu reinado. A crônica descreve como ele reuniu suas tropas, marchou para a região siro-palestinense e, em março, tomou a cidade de Judá, capturando o rei e nomeando um governante de sua escolha. Este novo rei, Gedalias, é confirmado por um antigo selo de impressão em hebraico encontrado nas escavações, corroborando o relato bíblico.

 

Nabucodonosor conquistou Jerusalém três vezes, cada uma marcada por intensa violência. Nas duas primeiras invasões, em 605 e 597 a.C., ele capturou milhares de judeus, muitos dos quais foram levados para trabalhar em seu palácio. 

 

A terceira e mais devastadora invasão ocorreu em 586 a.C., resultando na destruição completa da cidade devido à rebelião de Zedequias.

 

Confirmando a historicidade de Daniel

 

Foi durante a primeira invasão que o profeta Daniel e seus companheiros foram levados cativos para a Babilônia. Eles viajaram cerca de 1.500 km, despedindo-se de sua terra natal. O livro de Daniel começa lembrando essa primeira invasão: “No terceiro ano de Joaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou” (Dn 1:1).

 

 Evidências dos Reis Judaicos

 

Selos de inscrição encontrados em Debir e Bet-Semes confirmam a existência de Joaquim, rei de Judá. Além disso, tabletes cuneiformes descobertos nas ruínas do palácio de Nabucodonosor, traduzidos pelo professor Ernst E. Weidner, listam provisões alimentícias para empregados, estrangeiros e nobres exilados, incluindo Joaquim e seus cinco filhos. 

 

Esses registros não só confirmam sua existência, mas também que eles eram cativos na Babilônia em 592 a.C.

 

 O legado de Nabucodonosor

 

Críticos negaram a historicidade de Nabucodonosor, mesmo após a descoberta de Babilônia por Koldewey. Alegaram que a cidade foi fundada por uma rainha chamada Semíramis. No entanto, a decifração dos caracteres sumerianos por Henry Rawlinson revelou inúmeras inscrições que celebram Nabucodonosor como o grande administrador e idealizador da Babilônia.

 

 Um tijolo de história

 

No Museu de Arqueologia Bíblica temos um antigo tijolo babilônico com inscrições cuneiformes. Com a ajuda de um léxico acadiano, a inscrição foi traduzida, revelando o texto: “Eu sou Nabucodonosor, rei de Babilônia, provedor dos templos de Esaguila e Ezida, o filho primogênito de Nabopolassar, rei da Babilônia.” Este artefato permanece como um testemunho da grandiosidade de Nabucodonosor.

 

Crônicas que comprovam o passado

 

As crônicas babilônicas, reveladas pelos tabletes cuneiformes, oferecem uma visão fascinante da história antiga. Elas confirmam relatos bíblicos e destacam a complexidade das relações políticas e militares da época. 

 

Esses artefatos não só enriquecem nosso entendimento da história, mas também servem como um lembrete da riqueza cultural e histórica que ainda aguarda para ser descoberta.

 

Assista ao vídeo e saiba mais sobre essa descoberta

Aprenda mais sobre a Bíblia

Por aqui, não há limites para se aprofundar nas Escrituras Sagradas. Inscreva-se abaixo para receber conteúdos sobre a Bíblia, a Arqueologia e muito mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ CONTEÚDO
evangelhos
Dúvidas Bíblicas
Equipe Rodrigo Silva
Os Evangelhos

O Novo Testamento relata a vida de Jesus nessa terra, bem como o papel dos discípulos após Ele ter voltado ao Céu. Vamos explorar nesse

Ler mais »
local do julgamento de jesus
Arqueologia Bíblica
Equipe Rodrigo Silva
O local do julgamento de Jesus

No vídeo de hoje, Rodrigo Silva e Aline Szewkies mostram um achado arqueológico revolucionário em Jerusalém – o local onde Jesus provavelmente foi julgado diante

Ler mais »
silas
Dúvidas Bíblicas
Equipe Rodrigo Silva
Quem foi Silas na Bíblia?

Silas, uma figura talvez não tão conhecida quanto Paulo ou Pedro, desempenhou, no entanto, um papel crucial nos dias iniciais do cristianismo. Sua jornada ao

Ler mais »
atos
Devocional
Equipe Rodrigo Silva
Atos dos Apóstolos

Vamos embarcar em uma emocionante jornada pelo livro de Atos dos Apóstolos, uma obra inspiradora que nos leva aos primeiros dias da igreja cristã. Preparem-se

Ler mais »
adão
Arqueologia Bíblica
Equipe Rodrigo Silva
Adão realmente existiu?

A história de Adão, conforme descrita na Bíblia, pode parecer um tanto estranha ao senso comum. Afinal, não vemos nada no mundo real que lembre

Ler mais »