Como eram realizados os sepultamentos nos tempos bíblicos?

Por <b>Rodrigo Silva</b>

Por Rodrigo Silva

Arqueólogo

Os sepultamentos dos tempos bíblicos eram realizados de formas diferentes, pois cada cultura, região e crença enxergava as práticas funerárias de maneira distinta. Há relatos nas Escrituras Sagradas que apresentam algumas informações sobre esses rituais e indicam como eram praticados. Confira a seguir!

sepultamentos
Em geral, as sepulturas eram feitas de pedras. | Foto: Unsplash.

O significado do sepultamento

A morte possui um significado importante para os cristãos e o sepultamento feito de modo correto e cuidadoso demonstra o cuidado com o corpo humano, considerado templo do Espírito Santo. Esse simbolismo pode variar entre diferentes denominações, mas, em geral, deve ser feito com zelo para manter a honra e dignidade do indivíduo, afinal somos criados à imagem e semelhança de Deus, além do sepultamento ser um momento de consolo, luto e testemunho público para os familiares e amigos.

 

Algumas passagens bíblicas mostram a importância do sepultamento, pois do pó o homem veio e ao pó voltará:

 

  • Gênesis 3:19 – “No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.”. Essa passagem evidencia a mortalidade humana, ou seja, todos temos a morte como fim da vida, além da conexão do ser humano com a terra.
  • Eclesiastes 12:7 –e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” Este versículo expõe claramente o retorno do corpo ao barro e do espírito ao Criador.
  • 1 Coríntios 15:42-44 – “Assim também a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo em corrupção, ressuscita em incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo animal, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo animal, há também corpo espiritual.” Essa passagem fala sobre a transformação do corpo humano na ressurreição, que é uma visão teológica de muitos cristãos, de que, na volta de Jesus, os mortos retornarão à vida.

Sepultamento na cultura judaica

 

No Vale de Elá (Valley of Elah), em Israel, que nos tempos bíblicos fez parte da região mencionada na Bíblia Sagrada onde os israelitas estavam acampados no momento em que Davi matou Golias, há um sítio arqueológico com um túmulo judeu, o túmulo de Bet Shemesh, conforme mostrei com detalhes em um dos programas Evidências.

 

Na cultura judaica, o ritual de sepultamento tinha um passo a passo importante e que devia ser seguido. O corpo era lavado, perfumado, envolto em mortalhas (ataduras feitas de pano ou algum outro material similar) e deitavam a pessoa no túmulo. Aqui, por exemplo, é curioso lembrar de quando Lázaro ressuscitou e saiu do túmulo ainda envolto por panos.

 

“E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: Desatai-o e deixai-o ir.” –  João 11:43-44

 

Depois que o velório era feito, todos saíam e o corpo tinha que ficar separado no local por pelo menos um ano, até que era retirado novamente, já em ossos e com os restos de lenço, colocado em caixas de pedra e levados para o segundo sepultamento.

 

O segundo sepultamento era feito numa sala ao lado do túmulo, um local reservado para que as caixas de madeira com os restos mortais das pessoas permanecessem por muitos anos. Esse tipo de ritual passou a ser usado pelos judeus por volta do século 1 a.C. e foi até cerca de 70 d.C., durante o período do Império Romano.

 

As tumbas e sepulturas que, normalmente, pareciam cavernas ou uma câmara sepulcral esculpida em rochas, tinham as entradas bloqueadas por pedras grandes e pesadas na entrada.

 

Em casos de pessoas ricas e influentes, também eram usados caixões de pedra ou de madeira, além de túmulos construídos em locais melhores, com mais espaço e recursos. Esse é o caso de Jesus, que foi sepultado por José de Arimatéia e Nicodemus num túmulo novo que, inclusive, tinha um jardim (João 19: 38-42).

 

Sepultamentos citados na Bíblia Sagrada

 

Há diversas passagens bíblicas que mencionam sepultamentos nos tempos bíblicos:

 

  • Gênesis 23:19 – Essa passagem relata o sepultamento de Sara, esposa de Abraão, que foi colocada na caverna de Macpela, em Hebrom, terra de Canaã;
  • Gênesis 50:13 – Jacó, o pai de José, foi sepultado na sepultado na caverna de Macpela, em Hebrom, terra de Canaã, assim como Sara e seus antepassados;
  • Deuteronômio 34:6 – Moisés morreu aos 120 anos e foi sepultado por Deus em um lugar desconhecido, porém descrito como sendo na terra de Moabe, defronte de Bete-Peor;
  • Mateus 27:57-61, Marcos 15:42-47 e Lucas 23:50-56 – Este trecho descreve o pedido de José de Arimatéia a Pilatos para o sepultamento de Jesus, como mencionado.

Sepultamento no Antigo Egito 

 

Em outras culturas, os rituais eram feitos de maneira diferente. No Antigo Egito, por exemplo, havia diversas superstições envolvidas e bastante elaboração do corpo, pois eles acreditavam na vida após a morte e na importância de preservar o corpo para este período.

 

A mumificação era uma prática comum. Para realizar esse processo, eram retirados os órgãos internos do indivíduo, e então feita a secagem e a preservação do corpo com o auxílio de produtos químicos, que seria posteriormente coberto com bandagens de linho para finalizar. Os mortos eram colocados em sarcófagos que tinham tamanhos variados e podiam contar com muita sofisticação, dependendo do nível social e relevância pública do falecido – quanto mais rico, mais elaborado e cheio de joias era a tumba.

 

A História do Povo de Deus

 

Compreender o contexto bíblico é essencial, assim como a cultura de cada época e a trajetória de cada povo. Cada detalhe de suas vidas nos traz informações ricas sobre o modo de ver a vida que eles possuíam, além de ampliar a nossa visão sobre os aspectos que são relevantes de usarmos na sociedade moderna e o que serve apenas como parte da história do mundo.

 

Então, se você deseja saber mais sobre outros assuntos como este acerca dos sepultamentos nos tempos bíblicos, o curso A História do Povo de Deus é uma excelente opção, pois enriquecerá sua fé ao explorar a jornada de homens e mulheres através dos tempos. Neste curso, você participará de aulas semanais comigo e aprenderá a partir de uma metodologia que foi elaborada por mim para que você cresça espiritualmente e amplie seus conhecimentos em diversas áreas, como Arqueologia Bíblica, História e muito mais.

Aprenda mais sobre a Bíblia

Por aqui, não há limites para se aprofundar nas Escrituras Sagradas. Inscreva-se abaixo para receber conteúdos sobre a Bíblia, a Arqueologia e muito mais.

Uma resposta

  1. Como são edificantes as informações recebidas pelo servo do Senhor Rodrigo Silva. Amo!!! Traz paz ao nosso coração ❤️ e a sede de aprendizado por Nosso Deus é insaciável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ CONTEÚDO
egito
Arqueologia Bíblica
Equipe Rodrigo Silva
A Bíblia e o Antigo Egito

Estamos de volta para o nosso bate-papo semanal sobre Bíblia, teologia, religião e arqueologia. Hoje, tenho um tema muito interessante para tratar com vocês: a

Ler mais »
a batalha de gog e magog
Dúvidas Bíblicas
Equipe Rodrigo Silva
A batalha de Gog e Magog

Falar sobre Gog e Magog é apenas uma degustação—espera, essa palavra não é bem adequada. É mais como uma prévia. Hoje, estamos oferecendo um vislumbre

Ler mais »
lei
Devocional
Equipe Rodrigo Silva
O principal mandamento da Lei

Nos Evangelhos, há um momento crucial em que um doutor da lei se aproxima de Jesus com uma pergunta desafiadora: “Qual é o principal mandamento

Ler mais »
catástrofes
Dúvidas Bíblicas
Equipe Rodrigo Silva
Onde Deus está nas catástrofes?

Em meio à devastação das fortes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul, surge a inquietação: onde está Deus em meio a tamanha tragédia?

Ler mais »